Guia Green Power apresenta: Saiba tudo sobre overfert e flush

 Em Dicas de Cultivo, Dicas Green Power

Você sabe o que é, para que serve, qual a importância e qual a influência no overfert no desenvolvimento das plantas no cultivo indoor? Para responder a todas essas perguntas preparamos uma guia sobre o assunto. Confira também detalhes sobre quando e como fazer o flush, uma técnica que pode salvar sua planta.

Conceito: O que é overfert

Overfert ou “nutrient lockout” é o nome dado ao excesso de fertilização da planta.

Normalmente, os cultivadores focam muito na composição dos fertilizantes e em garantir a absorção dos macro e micronutrientes. Mas não reparam que podem estar oferecendo nutrientes além do necessário para as plantas. O efeito disso nas plantas sempre é negativo, e pode ser observado pelo formato que as folhas adquirem: queimadas nas pontas, com folhas e galhos enrolados e curvados para baixo.

É bastante comum nos primeiros dias de fertilização as plantas reagiram muito bem e parecerem felizes, induzindo o dono do cultivo a continuar fertilizando com as mesmas concentrações de nutrientes.

Na verdade, o que acontece é que as plantas estão absorvendo apenas aquilo que é necessário e muitos nutrientes acabam sobrando e se acumulando no solo. Esse acúmulo, com o passar dos dias, pode se tornar muito prejudicial às raízes e a toda a planta. Ocorre uma saturação de alguns nutrientes e é o que impede a planta de absorver outros.

Como solucionar o problema do overfert?

A solução do problema do overfert depende do quanto a planta já foi afetada.

Em casos menos graves, é recomendado que apenas se reduza ao mínimo a fertilização, realizando uma maior diluição em água dos produtos. Também é interessante aumentar a frequência de rega, no intuito de ir diluindo os nutrientes aos poucos.

Em casos mais graves e extremos, quando a planta já foi muito afetada pelos efeitos do overfert, é necessário um procedimento um pouco mais invasivo, conhecido como flush. O

Flush é uma técnica de lavagem do solo ou substrato que consiste em literalmente em passar água pelo solo até lavá-lo.

Como avaliar o momento certo e realizar o flush

Existem três momentos principais que o flush é recomendado.

1) Na pré-colheita, que pode acontecer entre uma semana e três dias antes de colher as flores. Essa lavagem do substrato reduz o amargor que algumas flores adquirem pelos fertilizantes utilizados durante o cultivo e muitos cultivadores indicam esse procedimento para obter uma colheita mais aromática e de sabor mais agradável.

2) No início da floração, quando houver uma mudança radical de tipo de fertilizante. Serve como prevenção.

3) Em overfert, o terceiro momento é aquele de emergência quando o grow está passando por uma overfert grave e é muito mais válido lavar o solo do que ficar testando quais nutrientes estão em excesso para reduzi-los. Os sintomas estarão bem aparentes e o cultivador pode confiar no seu instinto para saber se elas conseguem se recuperar sem o flush ou não. Cada grow é diferente e o cultivador é a melhor pessoa para julgar a gravidade de um problema nutricional.

Como fazer o flush

Para fazer o Flush, existem três opções:

– Utilizar água pura;

– Utilizar água com poucos nutrientes; ou

– Utilizar produtos específicos para flush (conheça o FloraKleen na growshop da Green Power).

Assista aos detalhes do procedimento no vídeo da Green Power

Que cuidados tomar para não fazer o flush de modo errado?

O flush não é um procedimento rotineiro e não pode ser banalizado, use-o com sabedoria como técnica de emergência.

Deve-se tomar cuidado também ao utilizar água da torneira por conter bastante cloro, que além de intoxicar as plantas, mata muitos microorganismos bons do solo. Se for necessário, deixe a água em um recipiente aberto de um dia para o outro até que o cloro evapore. Opte por realizar o procedimento no início ou final do dia, horários menos quentes, em que pode-se lavar as raízes e o solo sem queimar as raízes.

Plantas cultivadas em terra podem receber flush por até duas semanas. Outros substratos como a fibra de coco e sistemas hidropônicos não, porque perdem todos os nutrientes mais rapidamente. A técnica não é recomendada para substratos orgânicos por um simples motivo: esse solo já tem tudo que a planta precisa para se desenvolver. Encharcá-lo pode comprometer todo o ecossistema já estabilizado.

Após o flush, a dica é deixar o solo secar naturalmente. Também deve-se evitar o excesso de umidade no grow, enquanto as plantas ainda estiverem muito molhadas, para que as raízes, caules, flores não mofem. Inicie novamente a fertilização com mais prudência nas quantidades e lembre-se que quase sempre, menos é mais.


Baixe grátis o novo ebook da Green Power: Tudo sobre o uso de fertilizantes no cultivo indoor

 

Deixe um Comentário

Start typing and press Enter to search