Treino de plantas: Por que e como fazê-lo? (parte 2)

 Em Dicas de Cultivo, Dicas Green Power

Treino de plantas pode até parecer algo estranho. Mas a verdade é que atualmente o treinamento é muito utilizado para atingir a maior produtividade possível. Sabemos que se deixadas por crescer sozinhas, as plantas atingirão certo tamanho e também darão brotos e flores. A diferença aqui é quanto ao rendimento da produção.

Existem dois tipos principais de treinos e ambos dependem do plantio ser indoor ou outdoor. Os tipos são: Treinos de Baixo Estresse (LST) e Treinos de Alto Estresse (HST). 

Dando continuidade à série, depois de tratarmos dos Treinos de Baixo Estresse (LST), apresentamos a seguir os Treinos de Alto Estresse (HST), aquelas técnicas mais utilizadas por cultivadores outdoor e com cultivos maiores.

Treinos de Alto Estresse (HST)

Os Treinos de Alto Estresse (em inglês, HST) normalmente exigem menos materiais e também menos tempo. É fortemente recomendado que os HST sejam realizados apenas no estado vegetativo da planta, afinal ninguém pensaria em estressá-la durante a floração, não é mesmo? Há alguns registros da realização destes treinos ainda no início da floração, mas jamais após esse breve período.

Como o próprio nome induz, os Treinos de Alto Estresse são um conjunto de técnicas que envolvem causar certo estresse às plantas e a partir disso, aumentar o rendimento da colheita. Mas por que o estresse pode nos ajudar a colher mais flores?

Já sabemos que pessoas colocadas em situação de estresse, até certa “dose saudável”, reagem tornando-se mais motivadas e resilientes. Estudos do ramo da psicologia também indicam um aumento na atividade cognitiva em indivíduos expostos aos hormônios liberados pelo estresse. O mais importante a ser ressaltado é que, em tudo na vida, deve haver equilíbrio!

Pessoas submetidas a muito estresse ou a um estresse prolongado tornam-se mais suscetíveis a doenças, inclusive depressão. Assim como nós, as plantas também são seres vivos e, na natureza, situações como incêndios, secas e intensa variação climática são bastante comuns. Os maiores saltos evolutivos são concebidos em populações que estão passando por certo estresse ou instabilidade, afinal a necessidade de adaptar-se para sobreviver é praticamente o que move o mundo.

Topping

Considerada a técnica mais básica, Topping consiste em cortar ou arrancar a parte superior da planta, fazendo com que os brotos superiores se transformem em dois novos ramos, onde cresceria apenas um. É como se na natureza algum animal mordesse o topo da planta e ela precisasse se recuperar para sobreviver.

O corte pode ser repetido durante todo o ciclo vegetativo e resultará numa planta bem arredondada e saudável se realizado de maneira correta. Esse estresse durante o crescimento treina a planta para chegar a sua máxima densidade e florescer, e tudo que você precisa são as próprias mãos ou uma tesoura de poda.

FIMing (conhecida como “Fuck I Missed”)

Esta já é uma técnica que envolve um pouco mais de atenção por ser mais complexa. Ao invés de remover a parte superior, deve-se cortar (e nesse caso necessariamente com o auxílio de uma ferramenta) apenas metade do topo. Daí vem o nome, pois parece que você perdeu essa pequena parte da planta.

A FIM pode resultar em 4 novos ramos. Por não ser um corte limpo no caule e sim de apenas uma parte, a execução desta técnica pode deixar sua planta mais propensa a infecções então deve ser realizada com bastante cautela. Além disso, também é um processo mais demorado, mas fazê-lo quando a planta está há poucas semanas no estado vegetativo pode ser muito benéfico no aumento da produtividade.

Super Cropping (mutilação)

A Super Cropping também é uma técnica bastante agressiva e estressante e tem o intuito de danificar o tecido interno do caule mas sem rompê-lo. Deve ser feito ainda no estado vegetativo, mas quando as plantas já tiverem amadurecido com ramos saudáveis. Você deve agarrar o galho que deseja quebrar e então apertá lo entre o dedo indicador e polegar no local onde irá dobrá-lo.

Em seguida, deve-se enrolar e contorcer o caule entre os dedos mais ou menos por 10s ou até que ele esteja macio o suficiente para dobrar, mas sem quebrar. Aí é só amarrar utilizando hastes específicas para o método. Esse método dará ao restante da planta mais exposição à luz.

Privação de Luz e UV-B

Alguns cultivadores outdoor em locais de clima temperado utilizam o método da privação de luz, cobrindo as plantas com um material a prova de luz por até 12h ao dia. Isso tudo para entrar no estágio de Floração com mais força. Entretanto, se optar por esse técnica, deve-se estar atento pois as plantas estão sujeitas a superaquecer e também estão mais propensas ao crescimento de fungos (devido a alta umidade). Se não realizado de maneira correta, pode danificar e prejudicar o rendimento da planta.

A outra técnica de Alto Estresse envolvendo a luz refere-se a expor a plantação a luz ultravioleta no espectro B (280-315nm). As plantas quando expostas à essa iluminação buscam se proteger dos raios UV-B e fazem isso produzindo até 28% mais THC e resinas. Ainda não há explicações precisas do porquê o THC auxilia na proteção da planta e também não foi observado aumento nos níveis de CBD.

Atenção! Essa radiação é extremamente prejudicial aos seres humanos e é responsável por causar câncer e queimaduras.

 

Está na dúvida sobre quais técnicas aplicar?

Lembra-se que o mais válido é oferecer a sua planta o melhor ambiente e os melhores nutrientes possíveis para que ela possa se desenvolver. Doses controladas de estresse são muito saudáveis mas por serem técnicas mais invasivas é importante estar bem atento e acompanhar de perto seu Grow. Além disso, é válido ressaltar que plantas cultivadas com técnicas de Baixo Estresse costumam gerar flores com padrões mais unificados tanto externamente quanto em seus compostos.

Que tal aproveitar para garantir os melhores fertilizantes e substratos agora mesmo na nossa loja para poder testar diversas técnicas? Confira na growshop da Green Power.

Deixe um Comentário

Start typing and press Enter to search