Pragas no Grow – Prevenção, Identificação e Controle

 Em Dicas de Cultivo

Pragas no Grow – Prevenção, Identificação e Controle

pragas no grow (2)Desde o início da agricultura, a humanidade vem tentando combater a predação constante mas natural de diversas espécies de pragas, que se alimentam das plantas cultivadas. A primeira questão a ter em mente é que, ao cultivarmos plantas para nosso consumo, estamos também abrindo caminho para insetos, fungos, bactérias, etc. que, assim como nós, também estão em busca de seu alimento. Estes parasitas vêm evoluindo há milhões de anos, adaptando estratégias de sucesso para devorar e destruir plantas, a fim de garantir a sua própria sobrevivência e proliferação. E eles fazem isso com profissionalismo. Por isso, esqueça a ideia de erradicá-los, pois nós jamais os venceremos. O que precisamos é entender como prevenir seu ataque e, no caso de já ter ocorrido, buscar minimizar as perdas.

 

PREVENÇÃO

 

Talvez um dos mais antigos e conhecidos ditos populares diz que “é melhor prevenir do que remediar” e segui-lo a risca certamente evitará maiores prejuízos. O primeiro passo para reduzir o ataque de qualquer praga é manter a limpeza em dia e isso vale para todas as etapas do cultivo, desde a esterilização de vasos e substratos antes do plantio até a manutenção dos utensílios e ferramentas utilizados na poda e colheita.

 

Algumas dicas básicas que sempre devem ser seguidas:

 

  • – Utilize sempre um substrato inerte ou processado em altas temperaturas. Um aquecimento por alguns minutos em 60°C vai matar grande parte das larvas, ovos e fungos que residem lá.
  • – Não utilize palha. Este meio úmido e sombreado é um refúgio perfeito para as pragas, principalmente fungos.
  • – Separe as ferramentas usadas em jardins outdoor e indoor. Caso seja necessário utilizar tesouras ou outros instrumentos em seu jardim indoor, tome sempre o cuidado de esterilizar primeiro. Álcool a 70% acaba com qualquer microorganismo vivo ali presente. Se não tiver álcool 70, você certamente deve possuir um maçarico. Uma passada rápida da chama também irá funcionar.
  • – Circulação de ar – manter a corrente de ar dentro de seu grow é uma das principais armas contra pragas. Uma ventilação eficiente garante que esporos e insetos voadores menores não tenham oportunidade de proliferar.
  • – Deve-se considerar deixar os calçados sempre fora do grow. Sapatos são as piores formas de contaminação que você pode carregar. É sem dúvida a fonte mais fácil para a entrada de pragas.mãos
  • – Lave as mãos! Você toca nos mais diversos locais, desde maçanetas de portas à corrimão de ônibus, e assim que chega em casa vai logo regar seu jardim. Ou então esteve brincando com seu cão e logo depois toca nas plantas, fazendo podas ou adubações. Esses são exemplos de fontes altamente contaminantes, que disseminam principalmente bactérias.
  • – Existem filtros que podem ser instalados na entrada de ar do grow, principalmente se esta vier de ambiente externo. São os mesmos filtros utilizados em sistemas de aquecimento e resfriamento. Mas essa é uma medida extrema, em casos de infestações muito frequentes.

IDENTIFICAÇÃO E TRATAMENTO

 

Apesar de todas as medidas preventivas, uma população de pragas ainda poderá se infiltrar em seu grow eventualmente. Fique sempre de olho em plantas que aparentam estarem mais fracas, pois estas são os primeiros alvos das pragas. Durante sua curta vida de algumas semanas, a maioria dos insetos pode colocar milhares de ovos. Assim, um único inseto que passar despercebido dentro de seu grow poderá causar grande estrago em questão de poucos dias. Uma vez identificado o ataque de pragas, o primeiro passo é isolar a planta atacada e fazer a remoção manual dos insetos, larvas ou folhas contaminadas. Procure sempre combater a infestação com produtos naturais, pois lembre-se que você irá consumir sua colheita depois.

Bem, certamente teremos que lidar com as infestações insetos praga, portanto, nos resta conhecê-los melhor e saber qual a melhor forma de combatê-los sem prejudicar as plantas e à nós mesmos. Veja a seguir quais as pragas mais comuns em plantas e como combatê-las:

 

1. AFÍDEOS

 

Afídeos é o nome dado a um grupo de insetos sugadores de seiva. O pulgão é sem dúvida o exemplar mais conhecido. Mas além dele, existem cerca de 250 espécies de afídeos que constituem sérias pragas para a agricultura, florestas e jardinagem. Além de sugarem a seiva da planta, os afídeos também são vetores de transmissão de vírus. A joaninha é o principal predador de afídeos.

 aphids

Prevenção: Os pulgões podem voar distâncias consideráveis em busca de um novo lar. Colocar armadilhas adesivas no chão perto das plantas e penduradas próximas às folhas vai ajudar a barrá-los, impedindo que pousem nas folhas.

Identificação: Os pulgões são geralmente cinza, mas existem espécies das mais variadas  cores. Uma vez conectado à folha para sugar a seiva, o pulgão permanece imobilizado e fica bastante fácil detectá-lo. Uma ampliação com lupa em 10x será suficiente para confirmar a identificação. Formigas desfilando em torno da base das plantas também podem indicar a presença de pulgões, uma vez que elas naturalmente cultivam afídeos e se alimentam deles. Ao sugar a seiva da planta, os pulgões liberam uma secreção melada que é facilmente notada nas folhas, principalmente nas hastes. Pulgões fêmeas não necessitam de acasalamento para reproduzir e podem excretar ovos entre 3 e 100 vezes a cada dia, por isso é muito importante identificar a infestação o mais cedo possível.

Combate: Existem predadores naturais do pulgões (como a joaninha e os insetos do gênero e Chrysoperia) que podem ser usados no controle biológico da insfestação. No entanto, ao introduzir joaninhas em um cultivo indoor, por exemplo, dificilmente elas sobreviverão, pois serão atraídas pela luz, pousando na lâmpada super quente. A remoção manual passa a ter uma importância crucial, portanto, sendo um tratamento muito eficaz contra a infestação de pulgões. Uma vez que o pulgão inicia a alimentação, ele pode ser facilmente removido manualmente, pois estará imóvel na folha. Utilize uma esponja umedecida com uma solução de água limpa e inseticida, que pode ser sabão, produtos à base de piretrina ou neem.

 

2. BROCAS

 

Prevenção: As brocas são larvas de besouros que geralmente se alimentam dos tecidos internos da planta. As espécies com esse hábito larval são encontradas principalmente em jardins ao ar livre, por isso, vale a regra de manter a limpeza no cultivo indoor e sempre esterilizar utensílios de uso compartilhado com plantas ao ar livre. brocas

Identificação: A identificação pode não ser tão fácil devido ao hábito da larva em comer as partes internas da planta, principalmente os tecidos condutores de água e seiva nos ramos. Um olhar mais atento pode encontrar rastros da infestação, através de manchas em forma de trilha marrom que a larva vai deixando em seu caminho.

Combate: Remoção manual é a melhor e praticamente única forma de controlar as brocas do besouro. Ao identificar o dano, siga a trilha e corte a parte da planta afetada. Um composto chamado rotenona, naturalmente encontrado em raízes de algumas plantas, possui grande efeito no combate às brocas. A rotenona está presente nas raízes das árvores conhecidas como “timbó”, dos gêneros Derris, Lonchocarpus e Tephrosia.

3. LAGARTAS

 

As lagartas são a fase larval de mariposas e borboletas. Elas eclodem dos ovos depositados nas plantas, escolhidas a dedo pelas fêmeas para servirem como alimento à sua prole.

 

lagartaPrevenção: Tanto mariposas quanto borboletas adultas dificilmente circulam em locais com fortes correntes de ar, por razões óbvias, suas asas são delicadas e seus corpos muito leves, de modo que um sopro forte de vento basta para afastá-las. Assim, em cultivo indoor, manter a boa circulação de ar é a medida preventiva para esse tipo de praga.

Identificação: Os estragos feitos por lagartas são percebidos facilmente. Algumas espécies podem desfolhar uma planta inteira da noite para o dia. Elas atacam folhas, brotos, talos e até mesmo o tronco principal, deixando uma porta aberta para o ataque por fungos.

Combate: Existem vespas do gênero Trichogramma que são eficientes no controle biológico de várias espécies de lagartas. Esta vespa, como todas as vespas parasitas, coloca seus ovos sobre a lagarta e suas larvas a devoram. No entanto, em cultivos domésticos, aplicar controle biológico pode não ser uma tarefa fácil e tampouco segura. A melhor saída é novamente a remoção manual das lagartas e a utilização de borrifadores com soluções inseticidas. Uma mistura caseira de pimenta e alho pode ser eficaz, assim como produtos à base de piretrina.

 

4. MINADORES

 

minador

 

Os insetos adultos dos bichos minadores (também conhecidos como bicho-mineiro) são mariposas  muito pequeninas, medindo apenas 6,5 mm de envergadura de asa. Possuem coloração branco-prateada e asas anteriores e posteriores franjadas. Esses insetos colocam os ovos na superfície superior das folhas e as lagartinhas, ao eclodirem, penetram diretamente para o interior da folha, onde se alimentam e iniciam as lesões ou minas facilmente percebidas na folha.

Prevenção: O controle dos insetos adultos dentro de casa e, principalmente, nas estufas impedirá a que as mariposas do bicho-mineiro coloquem seus ovos em sua planta.

minadoraIdentificação: A lagartas do bicho mineiro são pequenos animais medindo apenas 3,5mm de comprimento. É raro que o cultivador as perceba antes de iniciarem as lesões na folha. Estas larvas escavam através das folhas deixando trilhas de cor marrom ou esverdeadas por onde passam.

Combate: Armadilhas adesivas de cor amarela são eficazes para reter os insetos adultos. Remoção manual como sempre é uma medida a ser tomada. Esmagar as larvas ainda dentro das folhas é tarefa fácil, pois elas mesmas já construíram sua própria armadilha e estão presas lá. Retire todas as folhas infestadas e queime-as. Borrifar inseticidas não terá efeito algum sobre as larvas minadoras, uma vez que estão protegidas em seus túneis, mas pode-se regar a planta com uma solução de 0,5% de neen. Isso funciona muito rapidamente e o neem vai ficar nos tecidos da planta por cerca de 4 semanas, repelindo com sucesso quaisquer novas incursões.

 

5. LESMAS E CARACÓIS

 

Esses são animais facilmente encontrados em praticamente todos os jardins. Costumam aparecer com mais frequência no início da Primavera e, ao contrário de outras pragas, como os insetos, que tem uma vida relativamente curta, lesmas e caracóis podem viver até 2 anos.

caracol

Prevenção: Esses animais necessitam de locais frios, úmidos e sombreados, portanto, eliminar esse tipo de ambiente de seu jardim é o primeiro passo para evitar o aparecimento indesejado. Mantenha uma área plana e seca em torno dos vasos.

Combate: Armadilhas caseiras são eficientes contra eles. Uma opção é utilizar um vasilhame razo ou utensísio de cozinha de que não precise mais, encha-o com cerveja e misture uma colher de sal. Enterre a armadilha deixando a borda do recipiente alinhada com o solo. Verifique periodicamente removendo as lesmas e caracóis que caíram aí. Outra forma de atraí-los é colocar um vaso cerâmico de ponta cabeça na horta/jardim, nos locais próximos onde se verifica a infestação. Mantenha a borda do vaso a uma altura de 2 a 3cm acima do solo e deixe-o em local fresco e umido. Os caracóis e lesmas procuram locais para descanso ao abrigo da luz e o interior do vaso será perfeito para eles. Inspecione o vaso diariamente e remova os animais para longe de suas plantas. Uma camada fina de areia salgada em torno das plantas irá criar uma barreira intransponível a eles. Um anel de cobre na parte inferior do caule da sua planta também irá impedir que essas pragas subam às folhas.

Pulverizar as plantas com uma solução 50/50 de amônia/água irá acabar com elas.

 

6. ÁCAROS

 

Prevenção: Manter a limpeza em seu growroom é a principal medida preventiva para ácaros, assim como para tantas outras pragas. Antes de iniciar o cultivo, desinfete todo o interior da estufa borrifando uma solução de água sanitária a 5%.

acaroIdentificação: Ácaros vivem debaixo das folhas de sua planta e são praticamente invisíveis para olhos inexperientes. Esses animais não são insetos. Possuem oito patas e são classificados no grupo das aranhas, que engloba todos os aracnídeos. Ácaros serão totalmente visíveis sob uma lupa de aumento em 15x, no mínimo. Os ácaros são de coloração amarela, avermelhada, branco ou mais comumente são marrom. Assim como as aranhas, os ácaros podem construir teias, mas ao notá-las em seu grow é sinal de que esses animais já estão bem estabelecidos ali e é hora de agir contra eles.

Combate: Ácaros prosperam em temperaturas entre 21-27°C associadas com alta umidade do ar. Infelizmente, as condições ótimas para as plantas no grow também giram em torno dessa mesma média. Assim, no caso de uma infestação por ácaros, considere reduzir a umidade e temperatura dentro da estufa durante o período de tratamento, mesmo que não seja a condição mais ideal para sua planta. Regue as plantas de baixo para cima, submergindo os vasos para que a água chegue às raízes, evitando ao máximo qualquer umidade nas partes superiores da planta.

Devido ao pequeno tamanho do ácaro, a remoção manual torna-se ineficaz. Borrifar uma solução de óleo de neem trará bons resultados. Outros métodos eficazes são o uso de piretrina (que pode ser obtida a partir de flores de crisântemo) ou solução de sabão inseticida. Pulverize  três vezes por semana e acompanhe a evolução do tratamento. Fique atento à infestação por pelo menos 10 a 20 dias, uma vez que os ovos do ácaro eclodem em 5-10 dias. A primeira pulverização mata os adultos, a segunda vai destruir ácaros recém-nascidos e a terceira vai atingir os retardatários.

7. MOSCA BRANCA

 

Prevenção: Esses insetos são atraídos em armadilhas adesivas, principalmente se forem de cor amarela. Papel amarelo coberto de cola ou substância pegajosa irá funcionar muito bem para evitar que as moscas pousem sobre as plantas.

Identificação: Moscas brancas são pequenos insetos alados de cor branca a acinzentada. O método mais fácil de detecção consiste em agitar os ramos das plantas e observar se as pequenas mariposas saem voando. Os ovos também estão associadas às folhas, sendo depositados na face de baixo destas. As moscas brancas começam a atacar as plantas de cima para baixo e preferem as plantas mais fracas. Os danos causados pela mosca branca ás plantas são muito parecidos com os danos causados pelo ácaro, sendo ambos os insetos sugadores de seiva.mosca branca

Combate: A mosca branca é uma praga difícil de controlar, dado que todos os adultos voam. A melhor medida para frear a infestação é empregar armadilhas adesivas amarelas, colocadas ao redor de suas plantas. Retire-as quando estiverem cheias de moscas e as substitua. As armadilhas irão apenas controlar os adultos e minimizar a postura de ovos na planta, mas não vai erradicar o problema da mosca-branca. Pulverizações com sabão inseticida, piretrina, calda de fumo e extratos vegetais irá atuar como bons repelentes. Antes da pulverização, retire todas as folhas que estiverem muito danificadas e queime-as. Aplique as soluções inseticidas em intervalos de 5 a 10 dias.

Para a grande parte das pragas que atacam um cultivo indoor, aplicar uma solução feita com uma colher de chá de detergente diluída em um litro de água vai funcionar para minimizar o ataque da praga tão logo você o tenha percebido, até que os produtos adequados para seu combate sejam providenciados. No entanto, tenha em mente que mesmo após ter erradicado a praga de suas plantas, o excesso de borrifações com os mais variados produtos, mesmo que sejam naturais, causará um entupimento nos estômatos das folhas, o que vai abrandar o crescimento das plantas. Assim, pulverize água pura (de preferência destilada) de 1 a 2 dias após a aplicação de um spray de combate às pragas. Isso ajudará na limpeza dos estômatos e na retomada do crescimento vigoroso pela planta.

Bons cultivos!

 

Fonte: adaptado de 420magazine e rollitup.org

 

Start typing and press Enter to search