Como melhorar a floração das plantas no cultivo indoor

 Em Dicas de Cultivo, Dicas Green Power

A floração das plantas é um dos assuntos que sempre gera dúvidas e perguntas porque é uma etapa onde os resultados do cultivo começam a ficar visíveis. É quando se começa a observar de fato se a planta está se desenvolvendo como esperado. Por isso, é importante estar atento, de olho nos fatores e procedimentos que influenciam este período e também nas ações que podem ser feitas para melhorar a floração das plantas.

O que influencia na floração das plantas

Entre os fatores que mais influenciam na floração estão a luz, o fotoperíodo e as podas. Para que as plantas tenham uma floração bem feita e desenvolvam flores, assim como frutos, o cuidado com a fertilização é fundamental. Isso porque as plantas precisam de uma fonte equilibrada de cerca de 20 nutrientes, incluindo entre os principais o Nitrogênio, Fósforo, Potássio, Cálcio, Magnésio e Zinco. As plantas “se alimentam” desses nutrientes que devem estar presentes no solo. Suas raízes absorvem esses elementos através da água no solo – o que pede cuidado na irrigação e justifica a aplicação de muitos fertilizantes diluídos na água da rega.

Os fertilizantes especificamente formulados para o desenvolvimento das flores são frequentemente mais ricos em Fósforo porque é um nutriente vital envolvido na estimulação, aprimoramento e estabelecimento da floração das plantas. O Fósforo também pode ajudar a acelerar a maturidade de uma planta, sendo vital na fotossíntese e na respiração. Além disso, a aplicação de Fósforo nessa fase ajuda a fortalecer as raízes, que também são importantes na fase da floração. Afinal, é através das raízes que grande parte dos nutrientes e da água são absorvidos para formação das partes aéreas das plantas. Saiba mais sobre rega rica em Fósforo.

Além do Fósforo, outros nutrientes são essenciais na floração das plantas. Confira.

Nitrogênio – Necessário em menor escala na floração, quando comparado à fase de crescimento. Mas ainda assim é importante por causa de sua função estrutural na planta, sendo vital para o bom crescimento do caule. Mas cuidado: o excesso de Nitrogênio, principalmente na fase de floração, pode ter um efeito na diminuição da imunidade e na capacidade de frutificar.

Potássio – Também é importante para a produção de flores, atuando diretamente na fotossíntese, essencial em todo o desenvolvimento da planta. Em conjunto com Nitrogênio, este nutriente também está ligado à capacidade de absorção de água pelas plantas e formação de proteínas. O Potássio atua ainda na translocação de nutrientes entre as diferentes partes da planta. Isso reforça sua importância na floração porque a planta precisará de um aporte grande de nutrientes nas pontas dos ramos, onde geralmente formam-se as flores.

Magnésio – O uso deste nutriente incentiva a absorção de CO2, sendo um dos componentes básicos na formação da clorofila. O Magnésio atua também na formação das moléculas de proteínas das plantas, na assimilação e migração do Fósforo e no teor em vitaminas A e C. Também é um elemento nutritivo indispensável ao crescimento das plantas, tanto pelo seu papel essencial na constituição da clorofila, quanto pela sua função atuante no transporte de Fósforo – formando a base para uma boa floração.

Cálcio – O nutriente atua na estrutura da parede celular, ajudando para que a planta possa apresentar resistência a pragas e doenças. A falta de Cálcio causará a morte das gemas apicais (as pontas dos ramos, onde a planta está em constante crescimento, bem como as gemas de onde nascem as flores) porque atua também na elongação e divisão celular, sendo indispensável para as partes em crescimento na planta. O Cálcio ainda tem a função de equilibrar o pH.

Além destes nutrientes, é importante também conferir se as plantas têm aporte de micronutrientes como Ferro, Manganês, Cobre, Boro, Molibdênio, Zinco e Cloro. Se o cultivador já chegou à fase de floração com suas plantas sadias, é muito provável que elas têm suficiência desses micronutrientes porque, apesar de serem requeridos em menor escala em comparação aos macronutrientes, sua deficiência pode impedir o desenvolvimento da planta.

IMPORTANTE: Por fim, é sempre importante lembrar que a capacidade de uma planta absorver nutrientes pode ser afetada pelo nível de pH do solo. As deficiências nutricionais ou desequilíbrios no pH podem causar problemas para que as plantas floresçam. Saiba mais sobre pH do solo.

4 dicas para melhorar a floração das plantas

Levando em conta os fatores que influenciam na floração das plantas, confira quais medidas podem ser adotadas para que o período ocorra da melhor forma possível.

Aplicação de Sulfato de Magnésio

Deve-se aplicar semanalmente, começando nas duas últimas semanas da fase de crescimento e prosseguindo até a quinta semana da floração. Para aplicar o Sulfato de Magnésio deve-se diluir o produto em água na dosagem de 2g a 3g por litro. Em seguida, a solução pode ser aplicada tanto com um borrifador, diretamente nas folhas, quanto via irrigação no solo/substrato. A partir da quinta semana de floração pode-se reduzir a dosagem para 1 a 2 gramas de sulfato de magnésio por litro de água.

Fertilizante balanceado

Outro procedimento é observar se o tipo de fertilizante que será aplicado na fase de floração está balanceado com um NPK favorável à esta etapa. Ou seja, com menor quantidade de Nitrogênio e maior de Potássio e Fósforo.

Podas corretas

Fazer as podas corretamente nos ramos apicais ajuda na produção de mais ramos laterais e, consequentemente, cria maiores condições para a planta produzir flores. Poda os ramos principais, aqueles que atingem uma altura maior, faz com que a planta direcione sua energia de crescimento para ramos secundários, aqueles mais baixos e que acabam recebendo menos luz. Assim, as podas quando feitas corretamente fazem com que os ramos baixos também sejam fortalecidos e possam receber mais luz, ao ponto de produzir os chamados top buds, que são os botões florais que darão origem às maiores flores.

Mas atenção, nunca pode as plantas que já estão em fase de floração. As podas devem ser feitas com planejamento e sempre nas semanas que antecedem a mudança do fotoperíodo para a fase de floração. A planta precisa estar totalmente recuperada da poda antes que se faça a troca de fotoperíodo. Uma dica é fertilizar a planta dois a três dias antes de podar para que ela se fortaleça. Importante também ficar atento à cicatrização do corte, pois ali é uma potencial entrada para fungos e patógenos. Ao podar, certifique-se que está usando ferramentas limpas e bem afiadas, de preferência esterilizadas com álcool ou flambadas numa chama (de vela, maçarico, etc.).

Fotoperíodo ajustado

Outra medida essencial para a floração das plantas é ajustar o fotoperíodo para 12/12 horas. Ou seja, 12 horas de luz e 12 horas de escuro. A duração, sem suspensão, de um tempo no escuro é essencial para a floração da planta. Pode-se afirmar que o fotoperíodo escuro é o fator responsável por desencadear a floração, já que é a partir daí que as plantas “entendem” que houve mudança nas estações do ano e portanto é chegado o momento mais propício para investir toda sua energia na produção de flores.

Se estiver cultivando com LED não será preciso fazer alteração na iluminação, mas se está utilizando lâmpadas de vapor será necessário fazer a troca. Substitua a lâmpada de crescimento (Lâmpadas de Vapor Metálica) para a mais adequada para a floração (Lâmpadas de Vapor de Sódio).

Precisa melhorar a floração das plantas do seu cultivo? Compartilhe com a Green Power.

 

Deixe um Comentário

Start typing and press Enter to search