Dicas para definir a iluminação a partir do tamanho do grow

 Em Dicas de Cultivo, Dicas Green Power

A iluminação do grow é um dos assuntos que mais gera dúvida entre os cultivadores, especialmente os que estão dando os primeiros passos no plantio indoor. Além da escolha do tipo certo de lâmpada e da melhor forma de controlar o fotoperíodo, outra questão relacionada à luz e que levanta dúvidas é como definir a iluminação levando em consideração o tamanho do grow tanto pelas medidas da estufa quanto pela quantidade de vasos. Nesses casos, o que deve-se fazer?

Confira as nossas dicas e não esqueça de conferir as opções de iluminação na growshop Green Power.

A iluminação e o tamanho do grow

Em geral, são necessários no mínimo 30 Watts por pé quadrado, mas a potência ideal deve ficar entre 40-80w, principalmente levando em consideração que a iluminação não é totalmente uniforme em todas as partes das plantas.

Para buscar a maior uniformidade possível, o dono do cultivo pode utilizar refletores, por exemplo. Baseado na quantidade e qualidade desses refletores, e considerando também a boa circulação de ar, a temperatura controlada e a quantidade de vasos, a opção é colocar um valor neste intervalo. Então, basta multiplicar pelo tamanho do grow.

Por exemplo, se há apenas três vasos neste espaço, um bom refletor e circulação de ar, o cultivador pode optar por 40w x 11 pés quadrado, totalizando 440w para todo o espaço.

Conforme a disposição das suas plantas e testes, às vezes pode ser mais vantajoso usar duas lâmpadas de 250w em vez de uma única com os 440w ou 500w, visando uma melhor cobertura da área.

Quanto aos Lúmens, agora que você já calculou a área do plantio em pés quadrados, basta dividir a quantidade de lumens disponíveis (somando os lumens de cada lâmpada) pelo tamanho do grow. As pesquisas mais recentes indicam que o mínimo para o crescimento são 2.000 lumens por pé quadrado, a média são 5.000 e o ideal fica entre 7.000-7.500.

Para entender: Watts e Lumens

Watt é a unidade de medida de potência calculada pela multiplicação da tensão (em Volts) pela corrente elétrica (em Ampéres) e equivale a 1 Joule por segundo. É basicamente a quantidade de energia que uma lâmpada usa para produzir luz. Essa informação consta nas embalagens das lâmpadas.

Lúmen é a unidade padrão do sistema internacional de medidas para definir o fluxo luminoso de uma lâmpada. Na teoria “um Lúmen é o fluxo luminoso dentro de um cone de 1 esferorradiano, emitido por um ponto luminoso com intensidade de 1 candela (em todas as direções)”. Ou seja, nada mais é do que a quantidade de luz emitida por uma lâmpada incidindo sobre 1 pé quadrado (largura x comprimento) de uma superfície que esteja a 1 pé (0,3048 m) de distância.

Percebam aqui que todo o material e as informações são referentes a medida “pé”, então podemos arredondar e lembrar de: 1 pé = 0,30m = 30cm. Por isso, para ter certeza de que estará realizando os cálculos corretos, o primeiro passo é medir seu grow e converter a medida para pés.

A relação entre Lúmens e Watts determina o chamado “rendimento luminoso” expresso pela unidade lm/W. Essa medida representa quantos Lúmens são produzidos a cada Watt de energia consumida. Quanto maior este valor, mais vantajosa a lâmpada (na conta de luz e no impacto na produção). Se esse dado não constar na embalagem basta fazer essa divisão (Lúmens/Watts).

Tamanho do grow e características climáticas

Quanto ao tamanho do grow, reforçando o que destacamos acima, a solução realmente é colocar os números na ponta do lápis. Calcule corretamente a área do grow, conclua quantos Watts e Lumens são necessários e a partir disso se tem os dados para a escolha da iluminação (já conferiu nosso checklist?).

Quanto a questão climática é válido relembrar que as HQI são as lâmpadas que mais emitem calor, seguidas das HPS. É por isso que, quando usadas, devem estar distantes dos vasos, evitando estresses térmicos. Por causa disso, diante de uma situação como manter um cultivo indoor num local de clima muito quente e/ou pouca eficiência na ventilação e resfriamento, é mais adequado utilizar as lâmpadas de LED, que esquentam muito menos (quase nada).

No caso de um clima mais frio e úmido, o calor a mais emitido pelas lâmpadas a vapor pode auxiliar no controle da temperaturas mais altas. Aqui nem discutimos mais muito o uso das fluorescentes, lâmpadas de baixo rendimento, alto dano ao meio ambiente e muito gasto financeiro – e por tudo isso, consideradas obsoletas.

Tamanho do grow e tipos de lâmpadas

Ainda sobre a relação do tamanho com quais tipos de lâmpadas usar, tomando como exemplo um grow com três vasos, os painéis de LED, além de serem bem mais econômicos e sustentáveis, também possuem uma vida útil maior uma vez, diferentemente das de vapor, o químico não volatiliza e mantém o fluxo luminoso constante.

Porém, é interessante observar que uma das vantagens do LED pode virar uma desvantagem por falta de cuidado e atenção. Enquanto as lâmpadas a vapor, como HPS e HQI, emitem luz em 360°, o LED é direcional. No caso de uma área de cultivo interna, é importante entender isso porque optando por um painel de LED provavelmente será necessário distribuir melhor a quantidade de Watts entre mais de uma lâmpada.

Deixe um Comentário

Start typing and press Enter to search